Avaliação do estado Nutricional de Gestantes Adolescentes: análise de dados secundários

10.15343/0104-7809.202145283290

  • Luciane Peter Grillo Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI. Itajaí/SC, Brasil.
  • Milena Cristina Slaviero Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI. Itajaí/SC, Brasil.
  • Tatiana Mezadri Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI. Itajaí/SC, Brasil.
Palavras-chave: Gestante. Estado nutricional. Vigilância nutricional.

Resumo

A gravidez na adolescência envolve aspectos relacionados a diferentes causas, no entanto, é um problema de saúde pública à medida que implica em riscos à saúde do binômio mãe/filho com impacto socioeconômico. Este estudo objetivou descrever o estado nutricional de gestantes adolescentes usuárias de serviços públicos de saúde registrado no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional Web no ano de 2018 segundo as regiões do Brasil, região Sul do país e regiões de saúde do Estado de Santa Catarina. Trata-se de um estudo epidemiológico de delineamento ecológico, descritivo, cujo público foram gestantes adolescentes atendidas na atenção básica do Sistema Único de Saúde no ano de 2018. A variável avaliada foi o índice de massa corporal classificando o estado nutricional em baixo peso, adequado e excesso de peso. Foram analisados dados de 137.273 gestantes adolescentes no ano de 2018 nas cinco regiões do Brasil, sendo 11.417 na Região Sul do país e 2.538 no Estado de Santa Catarina. Verificou-se que a região Sul apresentou significativamente menor percentual de baixo peso quando comparado as demais regiões. Ao analisar a adequação do peso das gestantes, obteve-se a seguinte sequência significativamente diferente com relação a prevalência entre as regiões: Norte > Sul > Centro-Oeste e Nordeste (iguais entre si) >Sudeste. Quanto ao excesso de peso, não houve diferenças estatísticas entre o Centro-Oeste, Nordeste e Sul do país, sendo as mais prevalentes entre as regiões. Os dados da região Sul apontam prevalência igual entre os Estados para baixo peso e eutrofia e quanto ao excesso de peso, Paraná apresentou um valor percentual significativamente menor quando comparado ao Rio Grande do Sul e igual a Santa Catarina. O estado nutricional das gestantes adolescentes catarinenses segundo as regiões de saúde mostra as desigualdades regionais, excesso de peso no Alto Uruguai Catarinense e o baixo peso predominante na Serra Catarinense. Ressalta-se a importância do acompanhamento pré-natal por equipe multiprofissional destacando a necessidade da realização de educação alimentar e nutricional e investimentos em ações que proporcionem e incentivem a atividade física em locais seguros e de fácil acesso a este grupo populacional, principalmente na região Sul do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Sociedade Brasileira de Pediatria. Consulta do adolescente: abordagem clínica, orientações éticas e legais como instrumentos ao pediatra. 2019. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/21512c-MO_-_ ConsultaAdolescente_-_abordClinica_orientEticas.pdf
2. Ministério da Saúde (BR). Proteger e Cuidar da Saúde de Adolescentes na Atenção Básica. Brasília: 2017. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/saude_adolecentes.pdf
3. Eleutério BM, Araújo GLO, Silveira LP, Anastácio LR. Maternal nutritional profile and neonatal nutritional status in the city of Pará de Minas - MG. Rev. méd. Minas Gerais. 2013; 23(3), 311-17. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: file:///C:/Users/Administrador/ Downloads/en_v23n3a08.pdf
4. Vitolo MR. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. 2ªed. Rio de Janeiro: Rubio, 2015.
5. Teixeira FA, Schneider VLP, Wolpe RE, Sperandio FF. Satisfação com a imagem corporal em mulheres gestantes e não gestantes. ABCS health sci. 2015; 40(2), 69-74. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: file:///C:/Users/Administrador/Downloads/733-Article%20 Text-1530-1-10-20150804.pdf
6. Camargo RMS, Espinosa MM, Pereira SF, Schirmer J. Prevalência de anemia e deficiência de ferro: relação com índice de massa corporal em gestantes do Centro-Oeste do Brasil. Medicina (Ribeirão Preto). 2013; 46(2), 118-27. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https:// www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/62406/65207
7. Santana AC. Consumo alimentar na gestação e ganho ponderal: um estudo de coorte de gestantes da zona oeste do município de São Paulo. Dissertação [Mestrado em Saúde Pública]- Universidade de São Paulo; 2013.
8. da-Rosa R, Molz P, Pereira C. Perfil nutricional de gestantes atendidas em uma unidade básica de saúde. Cinergis (online). 2014; 15(2), 98- 102. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: file:///C:/Users/Administrador/Downloads/5134-23303-1-PB.pdf
9. Nunes CTG. Análise do ganho de peso gestacional em mulheres da região Sudeste do Brasil e desfechos perinatais Dissertação [Mestrado em Saúde Pública]- Universidade de São Paulo; 2015.
10. Nascimento FA, Silva SA, Jaime PC. Cobertura da avaliação do estado nutricional no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional brasileiro: 2008 a 2013. Cad. Saúde Pública. 2017; 33(2), e00161516. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.scielo. br/pdf/csp/v33n12/1678-4464-csp-33-12-e00161516.pdf
11. Victora CG, Barros AJD, França GVA, Bahl R, Rollins NC, Horton S, et al. Amamentação no século 21: epidemiologia, mecanismos, e efeitos ao longo da vida. Epidemiol. serv. saúde. 2016; 25(1), 1-24. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/ pdf/ess/v25n1/Amamentacao1.pdf
12. Adair LS, Queda CHD, Osmond C, Stein AD, Martorell R, Zea MR, et al. Associations of linear growth and relative weight gain during early life with adult health and human capital in countries of low and middle income: findings from five birth cohort studies. J. Lancet. 2013; 382: 525-34. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3744751/
13. Gomes RNS, Gomes VTS, Caldas DRC, Lago EC, Campos FKL, Gomes MS. Avaliação do estado nutricional de gestantes atendidas em unidades básicas de saúde de Caxias/MA. Revista Interdisciplinar. 2014; 7(4), 81-90.
14. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antropometricos.pdf
15. Diretoria de Vigilância Epidemiológica (BR), Secretaria de Estado da Saúde. Regiões de Saúde. Florianópolis: Diretoria de Vigilância Epidemiológica, 2019. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.dive.sc.gov.br/regioes-saude/
16. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Relatórios Públicos do SISVAN. 2019. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://sisaps.saude.gov.br/sisvan/relatoriopublico/index
17. Manera F, Höfelmann DA. Excesso de peso em gestantes acompanhadas em unidades de saúde de Colombo, Paraná, Brasil. DEMETRA (Rio J.). 2019; 14: e36842. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: file:///C:/Users/Administrador/Downloads/36842-153907-1- PB%20(3).pdf
18. Fonseca MRCC, Laurenti R, Marin CR, Traldi MC. Ganho de peso gestacional e peso ao nascer do concepto: estudo transversal na região de Jundiaí. Cien Saude Colet. 2014; 19(5), 1401-07. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/ v19n5/1413-8123-csc-19-05-01401.pdf
19. Silva AGCB, Silva JL, Lisboa LL, Monteiro RA, Viana ESR. Perfil Sociodemográfico e Clínico das participantes de um curso para gestantes. Revista APS. 2015; 17(3), 382-387. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: file:///C:/Users/Administrador/Downloads/15169- Texto%20do%20artigo-64575-1-10-20150204%20(1).pdf
20. Godinho JCM, Rezio MA, Silva LP, Freitas ATV, Martins KA, Amaral WN. Ganho Ponderal Excessivo em Gestantes Atendidas em Serviço Público de Alto Risco. Fragmentos de Cultura. 2014; 24(6), 85-95. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: file:///C:/Users/ Administrador/Downloads/3567-10368-1-PB%20(1).pdf
21. Campos CAS, Malta MB, Neves PAR, Lourenço BH, Castro MC, Cardoso MA. Ganho de peso gestacional, estado nutricional e pressão arterial de gestantes. Rev Saude Publica. 2019; 53:57. [Acesso em 17 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rsp/ v53/1518-8787-rsp-53-57.pdf
Publicado
2021-07-27
Como Citar
Peter Grillo, L., Slaviero, M. C., & Mezadri, T. (2021). Avaliação do estado Nutricional de Gestantes Adolescentes: análise de dados secundários: 10.15343/0104-7809.202145283290. O Mundo Da Saúde, 45(1), 283-290. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1128