A Complexidade da intervenção social segundo gênero e escolaridade do doente renal crónico

10.15343/0104-7809.202145120129

  • Marta Olim Diaverum, Departamento de Serviço Social, Lisboa, Portugal.
  • Sonia Guadalupe Instituto Superior Miguel Torga (ISMT), Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra (CEISUC). Coimbra, Portugal.
  • Fernanda Daniel Instituto Superior Miguel Torga (ISMT), Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra (CEISUC). Coimbra, Portugal.
  • Monica Carvalho Diaverum, Departamento de Serviço Social, Lisboa, Portugal.
  • Silvia Rocha Diaverum, Departamento de Serviço Social, Lisboa, Portugal.
  • Fernando Macário Diaverum, Departamento de Serviço Social, Lisboa, Portugal.
Palavras-chave: Gênero, Escolaridade, Doença Renal Crónica, Complexidade, Serviço Social.

Resumo

A elevada prevalência da doença renal crónica e a relevância social do seu tratamento exigem um aprofundamento do conhecimento sobre a população doente, tendo em conta a sua complexidade holística.  O estudo pretendeu analisar os níveis de complexidade no processo de intervenção social com pessoas com doença renal crónica numa perspetiva de gênero e de escolaridade. A amostra integrou 584 doentes com idades compreendidas entre os 19 e os 93 anos, maioritariamente do sexo masculino, casados e com o 1.º ciclo ensino básico. Os participantes, com diagnóstico de doença renal crónica, foram avaliados através de um protocolo que inclui um questionário sociodemográfico e a Matriz de Complexidade Associada ao Processo de Intervenção Social com Doentes Renais Crónicos (MCAPIS_DRC). Encontrou-se uma associação estatisticamente significativa entre os três níveis de complexidade avaliados e as variáveis sexo (p = 0,002, phi = 0,146) e escolaridade (p > 0,001, phi = 0,277). Verificou-se, igualmente, uma interação entre a escolaridade e o índice de complexidade consoante o sexo (F(5, 572) = 6,647 p = < 0,001, ƞp2 = 0,113). As mulheres apresentaram maiores pontuações no índice e as pessoas com maiores níveis de escolaridade pontuam menos no índice. A evidência permite ter uma abordagem diferenciadora na avaliação e intervenção social, priorizando grupos e situações problema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 - Gerogianni S, Babatsikos F. Psychological Aspects in Chronic Renal Failure. Health Sci J 2014; 8(2): 205-214. Available from: Disponível em: https://www.hsj.gr/medicine/psychological-aspects-in-chronic-renal-failure.pdf
2 - Braun L, Sood V, Hogue S, Lieberman B, Copley-Merriman C. High burden and unmet patient needs in chronic kidney disease. Int J Nephrol Renovasc Dis 2012; 5(13): 151–163. DOI: 10.2147/IJNRD.S37766
3 - Buss M, Filho P. A Saúde e seus Determinantes Sociais. Physis 2007; 17(1): 77–93. DOI: 10.1590/S0103-73312007000100006
4 - Carrero J. Gender Differences in Chronic Kidney Disease: Underpinnings and Therapeutic Implication. Kidney Blood Press Res 2010; 33(5): 383–392. DOI: 10.1159/000320389
5 – Hecking M, Bieber A, Ethier J, Kautzky-Willer A, Sunder-Plassmann G, Saemann M, et al. Sex-Specific Differences in Hemodialysis Prevalence and Practices and the Male-to-Female Mortality Rate: The Dialysis Outcomes and Practice Patterns Study (DOPPS). PLOS Medicine 2014; 11(10): 3-14. DOI: 10.1371/journal.pmed.1001750
6 - Goldberg I, Krause I. The role of gender in chronic kidney disease. Eur Med J 2016; 1(2): 58-64. Available from: Disponível em: https://emj.emg-health.com/wp-content/uploads/sites/2/2017/12/The-Role-of-Gender-in-Chronic-Kidney-Disease.pdf
7 - Esteban M. El estudio de la salud y el género: las ventajas de un enfoque antropológico y feminista. Salud Colectiva 2006; 2(1): 9-20. DOI: 10.18294/sc.2006.52
8 - Theobald S, Tolhurst R, Elsey H, Standing H. Engendering the bureaucracy? Challenges and opportunities for mainstreaming gender in Ministries of Health under sector-wide approaches. Health Policy Plan 2005; 20:141–149. DOI: 10.1093/heapol/czi019
9 - Daniel F, Monteiro R, Antunes S, Fernandes R, Ferreira, L. Qualidade de vida relacionada com a saúde de pessoas idosas numa perspectiva de género. Port J Public Health 2018; 36(2): 59-65. DOI: 10.1159/000490929
10 - Sen G, George A, Östlin, P. Engendering international health: The challenge of equity. London: Press Editorial Board; 2002.
11 - Doyal, L. Gender and the 10/90 gap in health research. Bulletin of the World Health Organization 2004; 82(3): 162. Available from: Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/72502
12 - Pedro A, Amaral O, Escoval A. Literacia em saúde, dos dados à ação: tradução, validação e aplicação do European Health Literacy Survey em Portugal. Rev Port Saúde Pública 2016; 34(3): 259-275. DOI: 10.1016/j.rpsp.2016.07.002
13 - Frasen S, Roderick P, Casey M, Taal W, Yuen H, Nuthbeam D. Prevalence and associations of limited health literacy in chronic kidney disease: a systematic review. Nephrol Dial Transplant 2013; 28(1): 129-137. DOI: 10.1093/ndt/gfs371
14 - Taylor D, Bradley J, Bradley C, Draper H, Johnson R, Metcalfe W, et al. Limited Health literacy in advanced kidney disease. Kidney International 2016; 90(3): 685-695. DOI: 10.1016/j.kint.2016.05.033
15 - Costa-Requena G, Moreso F, Cantarell M, Serón D. Health literacy and chronic kidney disease. Nefrologia 2017; 37(2): 115–117. DOI: 10.1016/j.nefro.2016.10.001
16 - Jan D, Green A. Health literacy in kidney disease: review of the literature and implications for clinical practice. World J Nephrol 2016; 5(2):147–151. DOI: 10.5527/wjn.v5.i2.147
17- OPSS - Observatório Português dos Sistemas de Saúde. Saúde: Procuram-se novos caminhos – Relatório de Primavera. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa, Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra, Universidade de Évora, e Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa; 2016. Available from: Disponível em: http://opss.pt/wp-content/uploads/2018/06/Relatorio_Primavera_2016_1.pdf
18 - Olim M, Guadalupe S, Daniel F, Pimenta J, Carrasco L, Silva A. Matrix of Complexity Associated with the Process of Social Intervention with Chronic Renal Disease Patients. In: Albuquerque C, editor. Emerging Trends and Innovations in Privacy and Health Information Management. USA: IGI global Publisher of Timely Knowledge; 2019. p.85-114. DOI: 10.4018/978-1-5225-8470-4
19 - Kim H. Statistical notes for clinical researchers: assessing normal distribution (2) using skewness and kurtosis. Restorative dentistry & endodontics 2013; 38(1):52–54. DOI: 10.5395/rde.2013.38.1.52
20 - Lopes M, Fukushima R, Inouye K, Pavarini S, Orlandi S, Lopes J, et al. Quality of life related to the health of chronic renal failure patients on dialysis. Acta Paulista de Enfermagem 2014; 27(3): 230–236. DOI: 10.1590/1982- 0194201400039
21 - Campos-Matos I, Russo G, Perelman J. Connecting the dots on health inequalities – a systematic review on the social determinants of health in Portugal. Int J Equity in Health 2016; 15-26. DOI: 10.1186/s12939-016-0314-z
22 - Cobo G, Hecking M, Port K, Exner I, Lindholm B, Stenvinkel P, et al. Sex and gender differences in chronic kidney disease: progression to end-stage renal disease and haemodialysis. Clinical Science 2016; 130 (14): 1147–1163. DOI: 10.1042/CS20160047
23 - Olim M, Guadalupe S, Zeferino S, Marques M, Neves P. Necessidades e recursos sociais em doentes renais crónicos hemodialisados. Serviço Social & Saúde 2018; 17(1): 31-64. DOI: 10.20396/sss.v17i1.8655202
24 - Serafim M, Santo M. Criação e validação de uma escala de complexidade da intervenção social com adultos em contexto hospitalar (ECISACH). Intervenção Social 2012; 39: 45–87. Available from: Disponível em: http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/is/article/view/1186
25 - Esteves A, Pinto J. O envelhecimento na área metropolitana do porto. Estatísticas e Estudos Regionais 1991; 14: 22-30. Available from: Disponível em: https://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_estudo_det&menuBOUI=13707294&contexto=es&ESTUDOSest_boui=106164&ESTUDOSmodo=2&selTab=tab1
26 - Dageforde L, Cavanaugh K. Health Literacy: Emerging Evidence and Applications in Kidney Disease Care. Adv Chronic Kidney Dis 2013; 20(4): 311–319. DOI: 10.1053/j.ackd.2013.04.005
Publicado
2021-04-05
Como Citar
Olim, M., Guadalupe, S., Daniel, F., Carvalho, M., Rocha, S., & Macário, F. (2021). A Complexidade da intervenção social segundo gênero e escolaridade do doente renal crónico: 10.15343/0104-7809.202145120129. O Mundo Da Saúde, 45(1), 120-129. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1054