Correlação entre o estado nutricional e a prevalência de enteroparasitoses em crianças de uma comunidade quilombola da cidade de Caetés, Pernambuco

10.15343/0104-7809.202145250259

  • Luiz Cezar da Silva Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Brasil.
  • Michelle Christini Araújo Vieira Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Brasil.
  • Roberta Stofeles Cecon Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Brasil.
  • Johnnatas Mikael Lopes Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Brasil.
  • Pedro Pereira Tenório Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Brasil.
Palavras-chave: Doenças Parasitárias. Avaliação Nutricional em Crianças. Condições Sanitárias.

Resumo

As parasitoses intestinais afetam grande parte da população mundial, sobretudo, em países subdesenvolvidos que apresentam precárias condições de vida. O Brasil apresenta uma alta taxa de prevalência e elevado número de mortes representando uma grande problemática na saúde das crianças, pois pode levar a um estado de subnutrição com consequente comprometimento do desenvolvimento físico e intelectual. Verificar a associação entre as parasitoses intestinais e o estado nutricional de crianças da comunidade quilombola Atoleiro na cidade de Caetés-PE. Tratou-se de um estudo transversal, de cunho quantitativo, com a participação de 155 crianças, realizado no período entre abril a outubro de 2019. Os dados obtidos foram avaliados estatisticamente através do teste qui-quadrado x2 de Pearson com o objetivo de obter a correlação de crianças com presença ou ausência de protozoários e helmintos, tendo o valor significativo do (valor p < 0,05) ou marginalmente significativas (valor p < 0,10). Os responsáveis foram questionados sobre as condições socioeconômicos em que viviam. Foi realizado exame parasitológico de fezes a partir das técnicas de Hoffmann e Kato-Katz e o estado nutricional foi avaliado através de um estadiômetro portátil e balança digital e classificado a partir dos indicadores peso/idade, estatura/ idade, peso/estatura e índice de massa corpórea/idade de acordo com Ministério da Saúde. A maioria das crianças foram do sexo feminino 80 (52%) e média geral de ±5 anos. Ao todo foram 110 (70,97%) análises parasitológicas positivas. Destes resultados, 77 crianças (70%) apresentaram algum tipo de protozoário, 32 (29,09%) helmintos e 1 criança (0,91%) poliparasitismo. Percebeu-se ainda que a maioria das crianças obtiveram uma estatura adequada quando comparado a idade 110 (70,97%). Foi elaborado um livreto e um vídeo em forma de cordel com o objetivo de levar para a comunidade informações sobre a prevenção e a promoção em saúde. Evidenciou-se que há grandes problemas relacionados às condições sanitárias da comunidade, sendo estes um dos fatores que contribuíram para o surgimento das infecções parasitárias. A alta prevalência de crianças parasitadas esteve associada aos determinantes socioeconômicos, culturais e ambientais. Percebeu-se que os achados nutricionais como magreza e magreza acentuada foram expressivos, sendo a carência nutricional um agravo expressivo, mesmo não havendo associação estatisticamente significante entre o estado nutricional e as crianças parasitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Soares, N.M. at al.; Avaliação da Frequência de Parasitos Intestinais e do estado nutricional em escolares em uma Área Periurbana
de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Patol Trop. 2011; 40 (4):304-314.
2. TEIXEIRA, P. A.; Conhecimentos sobre parasitoses intestinais como estratégia para subsidiar ferramentas de educação em saúde.
2016. 81 f. Dissertação (Mestrado em Medicina Tropical)-Instituto Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, 2016.
3. Brasil, SVS. Campanha Nacional de Hanseníase e Geohelmintiases: Informe técnico de vigilância em Saúde, Brasilia-DF, 2013.
4. Lima, A. S. S.; Prevalência de Parasitoses Intestinais em Escolares. Governador Valadares-MG, 2014.Universidade Federal de Minas
Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Governador Valadares, 2014. 30f. Monografia (Especialização
em Atenção Básica em Saúde da Família).
5. Silva, R.S.B.; et al.. Estudo de parasitoses intestinais em moradores de Corumbá, Mato Grosso do Sul, Brasil. Rev Ibero Americana de
Ciências Ambientais. 2019; 10 (12):109-128.
6. Bianchini, R.A., et. al., Interoparasitoses: Prevalência em Centro de Educação Infantil na Cidade de Maringá, Paraná, Brasil. Revista
UNINGÁ, 2015; 2 (3):06-10.
7. Durand, M. K.; Heideman, I.T.S.B. Determinantes Sociais de uma comunidade quilombola e a interface com a Promoção da Saúde.
Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, 2019. 53:34-51.
8. Andrade, A. O.; Sá, A. R. N.; Bezagio, R. C.; Prevalência de parasitoses intestinais em crianças de um centro municipal de educação
infantil de Campo Mourão, PR/Brasil. Revista Uningá. 2017. 29 (3):36-41.
9. MS. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento / Ministério
da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde. (Cadernos de Atenção
Básica, nº 33):272.
10. OPAS, Organização Pan-Americano de Saúde. Relatório da OMS informa progressos sem precedentes contra doenças tropicais
negligenciadas, Brasília-DF. 2017.
11. Santos, J. C. S.; Campos, E. J. L. L.; Firmo, W. C. A. Parasitas intestinais em pacientes atendidos em um laboratório público do
município de Alto Alegre do Pindaré-MA. Journal of Biology & Pharmacy Agricultural Management. 2020. 16(1).
12. Andrade, E. C. de et al. Prevalência de parasitoses intestinais em comunidade quilombola no Município de Bias Fortes, Estado de
Minas Gerais, Brasil, 2008. Epidemiol. Serv. 2011 20(3): 337-344
13. Bittencourt, D. Agricultura familiar, desafios e oportunidades rumo à inovação. 2018. Programa de Agricultura Familiar da Embrapa.
14. Barbalho, T.; Percentagem de analfabetismo e direito a educação em adultos de 25 a 50 anos do bairro dos Coelhos, Recife, PE –
Brasil, 2018. 88f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação. Universidad Autónoma de Asunción, Paraguai 2018.
15. Soares, L. F.; et al. Aspectos socioeconômicos e de condições de saúde em populações quilombolas no estado do Piauí, Brasil.
2020. Research, Society and Development; 9(2):73922091,
16. Souza, V; Zanzini, E. D. S; Lobo, S. Proposta de prevenção da Amebíase: a educação ambiental como ferramenta de apoio à
parasitologia. 2012. Rev. Eletrônica em Gestão, Educ. e Tecnol. Ambient; 5 (5):926-929.
17. Cunha, L. F.; Amichi, K. R.; Relação entre a ocorrência de enteroparasitoses e práticas de higiene de manipuladores de alimentos:
revisão da literatura. 2014. Rev Saúde e Pesquisa; 7 (1): 147-157.
18. Sousa, F. C. A.; et al.; Prevalência de parasitoses intestinais em crianças de uma escola pública municipal. 2019. Rev. Enfermagem
atual In Derme; 90 (28).
19. Moreira, A. S.; et al; Pesquisa de parasitoses intestinais em crianças de um centro de educação infantil em um município do Sul de
Minas Gerais. 2019. Rev Vale do Rio Verde; 17 (1).
20. Ramos, A. E.; et al. Avaliação do consumo alimentar, estado nutricional e ocorrência de enteroparasitoses em crianças pré-escolares
no município de Picos-Piauí, Nordeste Brasileiro, 2019. Rev Ensaios e Ciênc; 23(3):269-272
Publicado
2021-07-26
Como Citar
da Silva, L. C., Araújo Vieira, M. C., Stofeles Cecon, R., Lopes, J. M., & Pereira Tenório, P. (2021). Correlação entre o estado nutricional e a prevalência de enteroparasitoses em crianças de uma comunidade quilombola da cidade de Caetés, Pernambuco: 10.15343/0104-7809.202145250259. O Mundo Da Saúde, 45(1), 250-259. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1125