Percepção de alunos de graduação da área da saúde acerca da abordagem sobre a saúde de LGBTI+

10.15343/0104-7809.202145175186

  • Vinícius Fahd Barchin Hospital Israelita Albert Einstein. São Paulo - SP, Brasil.
  • Bruna de Carvalho Hospital Israelita Albert Einstein. São Paulo - SP, Brasil.
  • Sheila de Moraes Santos Marques Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio Libanês. São Paulo - SP, Brasil.
  • Carolina Ribeiro Pellegatti Franco Instituto de Infectologia Emílio Ribas. São Paulo - SP, Brasil.
  • Ana Claudia Alcântara Garzin Centro Universitário São Camilo. São Paulo -SP, Brasil.
Palavras-chave: Educação Superior. Estudantes. Minorias Sexuais e de Gênero. Sexismo. Homofobia

Resumo

 

O preconceito e a discriminação praticados contra Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e pessoas Intersexo (LGBTI+) estão presentes nos atendimentos realizados por profissionais da saúde. Em uma tentativa de diminuir as desigualdades das pessoas LGBTI+ no Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde instituiu, em 2011, a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (PNSILGBT). A fim de fortalecer o preparo dos futuros profissionais em prol da integralidade nos atendimentos das instituições de saúde e considerando a hipótese de que os cursos de graduação na área da saúde não possuem abordagem suficiente para capacitar os futuros profissionais para prestar assistência a essa população, este estudo teve como objetivo avaliar a percepção dos alunos de graduação dos cursos Enfermagem, Nutrição, Medicina, Fisioterapia, Biomedicina e Farmácia acerca da abordagem, durante a formação profissional, sobre saúde da pessoa LGBTI+. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, exploratória e descritiva, realizada entre fevereiro e abril de 2019, utilizando um questionário online. Participaram 335 alunos de graduação de uma Instituição de Ensino Superior de São Paulo. Os resultados permitiram perceber que 48,36% dos participantes não se sentiam preparados para o atendimento integral de pessoas LGBTI+, com diferença estatisticamente significativa entre os participantes dos diferentes cursos de graduação (p=0,003) e, para 82,39% dos participantes, a PNSILGBT não foi abordada na sua formação. Evidenciou-se, ainda, que na percepção dos alunos, a abordagem e o conhecimento específico sobre a saúde da população LGBTI+ não foram suficientes para o preparo dos futuros profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Brasil. Senado Federal. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil [Livro eletrônico]. Brasília: Senado Federal; 2016 [acesso em 2020 jun. 15]. 498p. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016. pdf
2. Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde: princípios e conquistas [Livro eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde; 2000 [acesso em 2020 jun. 27]. 44 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_principios.pdf
3. Brasil. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da união. 20 set. 1990.
4. Duarte CMR. Eqüidade na legislação: um princípio do sistema de saúde brasileiro? Cien Saude Colet [Internet]. 2000 [acesso em 2020 ago. 12];5(2):443-463. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v5n2/7107.pdf. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000200016
5. Guimarães RCP, Cavadinha ET, Mendonça AVM, Sousa MF. Assistência à saúde da população LGBT em uma capital brasileira: o que dizem os Agentes Comunitários de Saúde? Tempus (Brasília) [internet]. 2017[acesso em 2020 jun. 27];11(1):121-39. Disponível em: http:// docs.bvsalud.org/biblioref/2018/03/880691/lgbt-8-port.pdf. doi: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2327
6. Garcia CL, Albuquerque GA, Drezett J, Adami F. Health of Sexual Minorities in North-eastern Brazil: Representations, Behaviours and Obstacles. J Hum Growth Dev [Internet]. 2016 [cited 2020 Aug. 31];26(1):94-100. Available from: https://www.revistas.usp.br/jhgd/article/ view/110985/112304. doi: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.110985
7. Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região, organizador. Psicologia e diversidade sexual [Livro eletrônico]. São Paulo: CRPSP; 2011 [acesso em 2020 jun. 15]. 94 p. Cadernos temáticos CRPSP; nº 11. Disponível em: https://www.crpsp.org/uploads/impresso/89/ix-PY27- 0PBlELJ3QsiCZn8NRZ_HW_lK.pdf
8. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais [Livro eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [acesso em 2020 jun. 15]. 32 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_ nacional_saude_lesbicas_gays.pdf
9. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [acesso em 2020 jun. 15]. 16 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/politica_nacional_humanizacao_pnh_1ed.pdf
10. Rocon PC, Sodré F, Rodrigues A, Barros MEB, Wandekoken KD. Desafios enfrentados por pessoas trans para acessar o processo transexualizador do Sistema Único de Saúde. Interface (Botucatu) [Internet]. 2019 [acesso em 2020 ago. 31];23:e180633. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v23/1807-5762-icse-23-e180633.pdf. Doi: https://doi.org/10.1590/interface.180633
11. Crispim JEB, Barreto EF, Nogueira WBAG, Almeida SA. Assistência de enfermagem à mulher lésbica e bissexual na atenção básica: protocolo de atendimento. Rev Pesqui Cuid Fundam [Internet]. 2018 [acesso em 2020 ago. 31];10(3):34-9. Disponível em: http://www. seer.unirio.br/index.php/%20cuidadofundamental/article/viewFile/7599/6584
12. Pereira EO, Ferreira BO, Amaral GS, Cardoso CV, Lorenzo CFG. Unidades Básicas de Saúde em Teresina-PI e o acesso da população LGBT: o que pensam os médicos? Tempus (Brasília) [internet]. 2017 [acesso em 2020 set. 25];11(1):51-67. Disponível em: http://docs. bvsalud.org/biblioref/2018/03/880399/lgbt-4-port.pdf
13. Costa LD, Barros AD, Prado EAJ, Sousa MF, Cavadinha ET, Mendonça AVM. Competência Cultural e Atenção à Saúde da população de lésbicas, gays, bissexuais travestis e transexuais (LGBTT). Tempus (Brasília) [internet]. 2017;11(1):105-19. Disponível em: http://docs.bvsalud. org/biblioref/2018/03/880542/lgbt-8.pdf
14 Negreiros FRN, Ferreira BO, Freitas DN, Pedrosa JIS, Nascimento EF. Saúde de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais: da formação médica à atuação profissional. Rev Bras Educ Med [Internet]. 2019 [acesso em 2020 jun. 03]; 43(1):23-31. Disponível em: https:// www.scielo.br/pdf/rbem/v43n1/1981-5271-rbem-43-1-0023.pdf. doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1rb20180075
15. Ceciliano LA. Conhecimento de Estudantes em Enfermagem da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais [TCC]. Brasília: Faculdade de Ciências da Educação e Saúde Faces; 2015 [acesso em 2020 nov. 26]. 24 p. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/8829/1/21136180.pdf
16. Santos GBS. Elaboração de um componente curricular sobre atenção à saúde da população LGBT em um curso de graduação em medicina [Dissertação]. Natal: Curso de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2017 [acesso em 2020 out. 13]. 40 p. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24326
17. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 5, de 07 de Novembro de 2001. Diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em nutrição. Diário Oficial da União. 09 set. 2001 [acesso em 2020 jun. 16]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/ arquivos/pdf/CES05.pdf
18. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 4, de 19 de Fevereiro de 2002. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em fisioterapia. Diário Oficial da União. 04 mar. 2020 [acesso em 2020 jun. 15]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/ arquivos/pdf/CES042002.pdf
19. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 2, de 18 de Fevereiro de 2003. Diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em biomedicina. Diário Oficial da União. 20 fev. 2020 acesso em 2020 jun. 15]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/ arquivos/pdf/ces022003.pdf
20. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 3, de 20 de Junho de 2014. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Diário Oficial da União. 23 jun. 2014 [acesso em 2020 jun. 15]. Disponível em: https://abmes.org.br/legislacoes/ detalhe/1609
21. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 6, de 19 de Outubro de 2017. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em farmácia. Diário Oficial da União. 20 out. 2017 [acesso em 2020 jun. 16]. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/ asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19363913/do1-2017-10-20-resolucao-n-6-de-19-de-outubro-de-2017-19363904
22. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 3, de 7 de novembro de 2001. Diretrizes nacionais do curso de graduação em enfermagem. Diário Oficial da União. 09 nov. 2001 [acesso em 2020 jun. 16]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wpcontent/ uploads/2012/03/resolucao_CNE_CES_3_2001Diretrizes_Nacionais_Curso_Graduacao_Enfermagem.pdf
23. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas reguladoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 13 jun. 2013 [acesso em 2020 jun. 16]. Disponível em: http://conselho. saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf
24. Sampaio APL, Alcântara MIP. Upgrade na interface do formulário online da google: ambiente colaborativo de aprendizagem. Revista Docência e Cibercultura [Internet]; 2018 [acesso em 2020 mai. 28];2(2):51-67. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index. php/re-doc/article/view/32946. doi: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.53173
25. Dalmoro M, Vieira KM. Dilemas na construção de escalas tipo likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados?. Revista gestão organizacional [Internet]. 2013[citado 2020 out. 26];6(3):161-74. Disponível em:
http://pegasus.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rgo/article/view/1386 Doi: https://doi.org/10.22277/rgo.v6i3.1386
26. Mehta CR, Patel NR. A Network Algorithm for Performing Fisher's Exact Test in r×c Contingency Tables. J Am Stat Assoc. 1983[cited 2020 Aug. 31];78(382):427-434. Available from: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01621459.1983.10477989. Doi: https:// doi.org/10.1080/01621459.1983.10477989
27. Ferreira JC, Patino CM. O que realmente significa o valor-p? J Bras Pneumol [Internet]; 2015 [acesso em 2020 set. 25];5(41):485-485. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v41n5/pt_1806-3713-jbpneu-41-05-00485.pdf. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1806- 37132015000000215
28. Albuquerque MRTC, Botelho NM, Rodrigues CCP. Atenção integral à saúde da população LGBT: Experiência de educação em saúde com agentes comunitários na atenção básica. Rev bras med fam comunidade [Internet]; 2019 [acesso em 2020 dez. 15].;14(41):1758-1768. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1758/980. doi: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1758
29. Nietsche EA, Tassinari TT, Ramos TK, Beltrame G, Salbego C, Cassenote LG. Formação do enfermeiro para o cuidado à população homossexual e bissexual: percepção do discente. Rev baiana enferm [Internet]. 2018 [acesso em 2020 mai. 24];32:e25174. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/25174/16483. doi: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.25174
30. Rosa DF, Carvalho MVF, Pereira NR, Rocha NT, Neves VR, Rosa AS. Nursing Care for the transgender population: genders from the perspective of professional practice. Rev bras enferm [Internet]; 2019 [cited 2020 Jun. 15];72(Suppl 1):299-306. Available from: https:// www.scielo.br/pdf/reben/v72s1/0034-7167-reben-72-s1-0299.pdf. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0644
31. Paulino DB. Discursos sobre o Acesso e a Qualidade da Atenção Integral à Saúde da População LGBT entre Médicos(as) da Estratégia Saúde da Família [Dissertação]. Uberlândia: Curso de Psicologia, Universidade Federal de Uberlândia; 2016. 142p. Disponível em: https:// repositorio.ufu.br/handle/123456789/17907
32. Lima CV. Sentidos de profissionais da psicologia sobre acesso da população LGBT na Atenção Básica em saúde de Maringá, PR: quatro mitos perniciosos [Dissertação]. Maringá: Curso de Psicologia, Universidade Estadual de Maringá; 2017. 190p. Disponível em: http://www. ppi.uem.br/arquivos-2019/PPI_UEM_2017%20Cristiano.pdf
Publicado
2021-05-19
Como Citar
Fahd Barchin, V., de Carvalho, B., de Moraes Santos Marques, S., Ribeiro Pellegatti Franco, C., & Alcântara Garzin, A. C. (2021). Percepção de alunos de graduação da área da saúde acerca da abordagem sobre a saúde de LGBTI+: 10.15343/0104-7809.202145175186. O Mundo Da Saúde, 45(1), 175-186. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1081