Adequação da assistência ao pré-natal para mulheres do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais - Brasil

10.15343/0104-7809.202145130139

  • Síntia Nascimento dos Reis Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina, Minas Gerais, Brasil.
  • Isabela Guedes Paiva Faculdade de Medicina do Vale do Aço, Ipatinga, Minas Gerais, Brasil.
  • Liliane da Consolação Campos Ribeiro Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina, Minas Gerais, Brasil.
  • Endi Lanza Galvão Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina, Minas Gerais, Brasil.
  • Helisamara Mota Guedes Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Saúde materna. Cuidado pré-natal. Gestantes. Humanização da assistência. Qualidade da assistência à saúde.

Resumo

que a ausência ou a baixa qualidade desta assistência está associada à taxa de mortalidade materna mais alta e aos resultados do nascimento. Ter dados da avaliação do pré-natal, em uma região, torna possível o planejamento, alocação de recursos e melhoria na assistência oferecida. Este trabalho teve o objetivo de avaliar a adequação da assistência ao pré-natal segundo dados do cartão da gestante e Índice de Kessner adaptado. Trata-se de estudo transversal baseado nos dados dos cartões de 309 parturientes atendidas de julho a setembro de 2018. A prevalência da realização do pré-natal adequado foi de 78.6%, 196 (63,4%) iniciaram o acompanhamento antes da 13ª semana de gravidez e (88,7%) realizaram mais de seis consultas. A qualidade desta assistência foi associada à escolaridade (p=0,02), ao estado civil (p=0,01), ao planejamento da gravidez (p<0,001) e à quantidade de filhos (p=0,01) da parturiente. Das puérperas, apenas nove (2,9%) relataram ter planejado a gestação atual. Os cartões de acompanhamento de 55 gestantes (17,8%) estavam incompletos para variáveis diversas. O pré-natal mostrou-se adequado pelo índice de Kessner sendo influenciado pela maior escolaridade, pela união estável do casal, pelo planejamento prévio da gravidez e pela experiência de um a dois filhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. 1.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. [citado 2020 jan 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio_3ed.pdf
2. Tomasi E, et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad Saúde Pública. [Internet]. 2017. [citado 2019 ago 24]; 3(33):e00195815. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2017000305001&script=sci_abstract&tlng=pt. doi: 10.1590/0102-311X00195815
3. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 569, de 1º de junho de 2000. Dispõe sobre a criação do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2000 jun 1; [citado 2019 ago 25]; Seção 1:4. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html
4. Ministério da Saúde (BR). Grupo Hospitalar Conceição. Gerência de Saúde Comunitária. Atenção à saúde da gestante em APS [Internet]. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2011 jan 24; [citado 2020 jan 28]. Disponível em: https://saude.mppr.mp.br/arquivos/File/kit_atencao_perinatal/manuais/manual_atencao_saude_da_gestante_2011.pdf
5. Silva LA, Alves VH, Rodrigues DP, Padoin SMM, Branco MBLR, Souza RMP. A qualidade de uma rede integrada: acessibilidade e cobertura no pré-natal. R de Pesq: cuidado é fundamental Online [Internet]. 2015. [citado 2019 ago 20]; 7(2):2298-2309. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5057/505750946010.pdf. doi: 10.9789/2175-5361.2015.v7i2.2298-2309
6. Maia VKV, Lima EFA, Leite FMC, Sousa AI, Primo CC. Avaliação dos indicadores de processo do programa de humanização no pré-natal e nascimento e da rede cegonha. Rev. Pesqui. [Internet]. 2017; [citado 2019 ago 20]; 9(4):1055-1060. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-908511. doi: 10.9789/2175-5361.2017.v9i4.1055-1060
7. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (Minas Gerais). Plano Diretor de Regionalização da Saúde de Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (MG); 2010; [citado 2020 jan 28]. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/parceiro/regionalizacao-pdr2
8. Barbetta PA. Técnicas de amostragem. Em: Estatística aplicada às ciências sociais. [Internet]. Florianópolis: Editora da UFSC; 2010. [citado 2019 ago 20]. 340p. Disponível em: https://www.academia.edu/32231809/BARBERETA_Estatistica_Aplicada_As_Ciencias_Sociais
9. Polgliani RBS, Neto ETS, Zandonade E. Informações dos cartões de gestantes e dos prontuários da atenção básica sobre assistência pré-natal. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [Internet]. 2014; [citado 2019 ago 20]; 36(6): 269-275. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbgo/v36n6/0100-7203-rbgo-36-06-00269.pdf. doi: 10.1590/S0100-720320140004907
10. Kotelchuck M. An evaluation of the Kessner adequacy of prenatal care index and a proposed adequacy of prenatal care utilization index. Am J Public Health. [Internet]; 1994; [cited 2019 ago 20]; 84(9):1414-20. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8092364. doi: 10.2105/AJPH.84.9.1414
11. Souza IA, Serinolli MI, Novaretti MCZ. Assistência pré-natal e puerperal e indicadores de gravidade no parto: um estudo sobre as informações disponíveis no cartão da gestante. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. [Internet]. 2019; [citado 2019 ago 20]; 19(4):991-997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-38292019000400983&script=sci_arttext&tlng=pt. doi: 10.1590/1806-93042019000400014
12. Andreucci CB, Cecatti JG. Desempenho de indicadores de processo do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento no Brasil: uma revisão sistemática. Cad Saúde Pública. [Internet]. 2011; [citado 2019 ago 20]; 27:1053-64. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0102-311x2011000600003&script=sci_abstract&tlng=pt. doi: 10.1590/S0102-311X2011000600003.
13. Dias CL, Silva Junior RF, Barros SM. Análise da qualidade da assistência pré-natal no âmbito da Estratégia de Saúde da Família. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2017. [citado 2019 ago 20]; 2279-87. Disponível em:
14. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/23388/19038. doi: 10.5205/reuol.10827-96111-1-ED.1106201704
15. Viellas EF et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública. [Internet]. 2014; [citado 2019 ago 19]; 30:S85-100. Disponível em:
16. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300016. doi: 10.1590/0102-311X00126013
17. Dantas DD, Mendes RB, Santos JM, Valença TD, Mahl C, Barreiro MD. Qualidade da assistência pré-natal no Sistema Único de Saúde. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2018; [citado 2019 ago 19]; 1365-1371. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/ac56/97af02eeb999fe3556db147e3da3b1123352.pdf. doi: 10.5205/1981-8963-v12i5a230531p1365-1371-2018
18. Queiroz DJM, Soares BD, Oliveira KCAN. Avaliação da assistência pré-natal: relevância dos exames laboratoriais. Rev Bras Promoç Saúde. [Internet]. 2015; [citado 2019 ago 19]; 28 (4): 504-512. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305870283_Avaliacao_da_assistencia_pre-natal_relevancia_dos_exames_laboratoriais. doi: 10.5020/18061230.2015.p504
19. Parada CM. Avaliação da assistência pré-natal e puerperal desenvolvidas em região do interior do Estado de São Paulo em 2005. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [Internet]. 2008; [citado 2019 ago 19]; 8(1):113-24. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-38292008000100013&script=sci_abstract&tlng=pt. doi: 10.1590/S1519-38292008000100013.
20. Cosendey MA, Hartz ZM, Bermudez JA. Validation of a tool for assessing the quality of pharmaceutical services. Cad Saúde Pública. [Internet]. 2003; [citado 2019 ago 19]; 19:395-406. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2003000200006. doi: 10.1590/S0102-311X2003000200006
21. Domingues RMSM et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. [Internet]. 2015; [citado 2019 ago 19]; 37:140-7. Disponível em: http://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2018/07/v37n3a03.pdf.
22. Oliveira RL, da Fonseca CR, Carvalhaes MA, de Lima Parada CM. Avaliação da atenção pré-natal na perspectiva dos diferentes modelos na atenção primária. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [Internet]. 2013; [citado 2019 ago 19]; 21(2):546-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n2/pt_0104-1169-rlae-21-02-0546.pdf. doi: 10.1590/S0104-11692013000200011
23. Vettore MV, Dias M, Vettore MV, Leal MD. Avaliação da qualidade da atenção pré-natal dentre gestantes com e sem história de prematuridade no Sistema Único de Saúde no Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant.[Internet]. 2013; [citado 2019 ago 19]; 13(2):89-100. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-38292013000200002&script=sci_abstract&tlng=pt. doi: 10.1590/S1519-38292013000200002
Publicado
2021-04-05
Como Citar
Nascimento dos Reis, S., Guedes Paiva, I., da Consolação Campos Ribeiro, L., Lanza Galvão, E., & Mota Guedes, H. (2021). Adequação da assistência ao pré-natal para mulheres do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais - Brasil: 10.15343/0104-7809.202145130139. O Mundo Da Saúde, 45(1), 130-139. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1053