Violência Perfil epidemiológico da violência contra a mulher em um município do interior do Maranhão, Brasil

10.15343/0104-7809.202145056065

  • Samylla Bruna de Jesus Silva Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. São Luís/MA, Brasil
  • Hayla Nunes da Conceição Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. São Luís/MA, Brasil
  • Marília Ramalho Oliveira Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. São Luís/MA, Brasil
  • Joseneide Teixeira Câmara
  • Leônidas Reis Pinheiro Moura Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. São Luís/MA, Brasil
  • Karoline dos Santos Silva Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. São Luís/MA, Brasil
  • Beatriz Mourão Pereira Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. São Luís/MA, Brasil
Palavras-chave: Violência doméstica, Mulheres, Violência contra a mulher

Resumo

A violência contra a mulher em qualquer momento de sua vida é um grave problema social e de saúde pública a ser enfrentado no Brasil. Nessa perspectiva o presente estudo tem como objetivo analisar o perfil epidemiológico das mulheres vítimas de violência doméstica em um município do Maranhão. Trata-se de uma pesquisa do tipo transversal, exploratória e descritiva com abordagem quantitativa. No período de 2014 a 2018, foram notificados 1.395 casos de violência doméstica contra mulher em um município no interior do Maranhão. Diante dos dados, verificou-se que a violência foi prevalente em mulheres com idades entre 19 a 29 anos (n=513; 36,77%), pardas (n=1372; 98,35%), solteiras (n=829; 59,43%), com ensino fundamental (n=811; 58,18%) e eram domesticas (n=594; 42,58%). O tipo de violência mais comum foi a psicológica/moral (n=614; 44,00%), e meio de agressão prevalente foi a ameaça (n=774; 55,48%). Em suma, evidenciou-se que os casos de violência contra a mulher são prevalentes em mulheres jovens, pardas, casadas ou união consensual, com baixa escolaridades e domésticas. Sendo o tipo de violência mais praticada contra as mulheres foi a violência psicológica/moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Bandeira, LM. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Soc estado. [internet]. 2014 Mai [acesso 2018 out 20]; 29(2): 449-469. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922014000200008&lng=en&nrm=iso.
2. Organização Mundial de Saúde (OMS). Folha Informativa – Violência contra as mulheres. OMS. Nov 2017. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5669:folha-informativa-violencia-contra-as-mulheres&Itemid=820.
3. Bueno S, Neme C, Sobral I, et al. Atlas da violência. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. IPEA. São Paulo, ed. 2. 2017. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/downloads/8891-1250-170602atlasdaviolencia2017.pdf.
4. Bueno S, Neme C, Sobral I, et al. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. Relatório-pesquisa. São Paulo, ed. 2. 2019. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/02/relatorio-pesquisa-2019-v6.pdf.
5. Cerqueira D, Bueno S, Lima RS, Neme C et al. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. IPEA. Atlas da Violência 2019. Rio de Janeiro, ed. 1. 2018. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/downloads/7047-190802atlasdaviolencia2019municipios.pdf.
6. Cerqueira D, Bueno S, Lima RS, Neme C et al. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. IPEA. Atlas da Violência 2019. Rio de Janeiro, ed. 2. 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/downloads/6537-atlas2019.pdf.
7. Garbin CAS, Dias IA, Rovida TAS et al. Desafios do profissional de saúde na notificação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Ciênc & Saúde Coletiva. [online]. 2015 Mai [acesso 2019 fev. 12]; 20(6):1879-1890. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n6/1413-8123-csc-20-06-1879.pdf.
8. Delziovo CR, Bolsoni CC, Nazário NO, et al. Características dos casos de violência sexual contra mulheres adolescentes e adultas notificados pelos serviços públicos de saúde em Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. [internet]. 2017 Jul [acesso 2019 març 10]; 33(6): e00002716. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2017000605011&script=sci_abstract&tlng=pt.
9. Instituto de Pesquisa Data Senado. Panorama da violência contra as mulheres no Brasil [recurso eletrônico]: indicadores nacionais e estaduais. Brasília: Senado Federal, Observatório da Mulher contra a Violência, 2016. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/529424.
10. Ferreira RM, Vasconcelos TB, Filho REM et al. Características de saúde de mulheres em situação de violência doméstica abrigadas em uma unidade de proteção estadual. Ciênc & Saúde Coletiva. [online]. 2016 Mai [acesso 2019 jan 16]; 21(12):3937-3946. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232016001203937&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.
11. Amaral, LBM; Vasconcelos, TB; Sá, FE; Silva. ASR; Macena, RHM. Violência doméstica e a Lei Maria da Penha: perfil das agressões sofridas por mulheres abrigadas em uma unidade social de proteção. Rev Estud Fem. [online]. 2016 Mai[acesso 2019 jan 25]; 24(2):821-840. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104026X2016000200521&script=sci_abstract&tlng=pt.
12. Schraiber LB, Latorre MRDO, Jr NJS et al. Validade do instrumento WHO VAW STUDY para estimar violência de gênero contra a mulher. Rev Saúde Pública. [online]. 2010 Agost. [acesso 2019 de nov. 12]; 44(4):658-666. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102010000400009.
13. Bernardino ÍM, Barbosa KGN, Nóbrega LM, et al. Violência contra mulheres em diferentes estágios do ciclo de vida no Brasil: um estudo exploratório. Rev bras epidemiol. [internet]. 2016 Out [acesso 2018 out 21]; 19(4):740-752. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415790X2016000400740&script=sci_abstract&tlng=pt.
14. Leite FMC, Amorim MHC, Wehrmeister FC et al. Violence against women, Espírito Santo, Brazil. Rev Saúde Pública. [online]. 2017 Nov. [acesso 2019 de out 22]; 51(1):33. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051006815.pdf.
15. Holanda ER, Holanda VR, Vasconcelos MS, Souza VP et al. Fatores associados à violência contra as mulheres na atenção primária de saúde. Rev Bras Promoç Saúde. [online]. 2018 Mai [acesso 2019 nov. 10]; 31(1):1-9. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6580.
16. Acosta, DF; Gomes, VLO; Fonseca, AD; Gomes, GC. Violência contra a mulher por parceiro íntimo: (in) visibilidade do problema. Context Enferm. 2015 Març [acesso 2019 de out. 20]; 24(1): 121-127. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00121.pdf.
17. Rosa DOA, Ramos RCS, Gomes TMV, Melo EM et al. Violência provocada pelo parceiro íntimo entre usuárias da Atenção Primária à Saúde: prevalência e fatores associados. Saúde debate. [online]. 2018 Dez [acesso 2019 de nov. 13]; 42(4):67-80. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042018000800067.
18. Moraes MSB, Cavalcante LIC, Pantoja ZC et al. Violência por parceiro íntimo: Características dos envolvidos e da agressão. Psi Unisc. [online]. 2018 Jul./Dez. [acesso 2019 de nov. 12]; 2(2):78-96. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/psi/article/view/11901.
19. Griebler, CN; Borges, JL. Violência contra a mulher: perfil dos envolvidos em boletins de ocorrência da Lei Maria da Penha. Psico. [online]. 2013 Fev. [acesso 2020 de fev de 19]; 44(2): 215-225. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/download/11463/9640.
20. Fonseca, DH; Ribeiro, CG; Leal, NSB. Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicol Soc. [online]. 2012 Març [acesso 2020 de jan de 19]; 24(2): 307-314. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000200008.
21. Bozzo, ACB; Matos, GC; Beraldi, LP; Souza, MD. Violência doméstica contra a mulher: caracterização dos casos notificados em um município do interior paulista. Ver enferm UERJ. [online]. 2017 Fev [acesso 2019 de nov. 20]; 25(3). Disponível em: Doi: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2017.11173.
22. Albuquerque, JBC; CÉSAR, ESR; SILVA, VCL et al. Violência doméstica: características sociodemográficas de mulheres cadastradas em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Eletr Enf. [online]. 2013 abr/jun;15(2):382-90. Disponível em: Doi: 10.5216/ree.v15i2.18941
23. Viana AL, Lira MOSC, Vieira MC, Sarmento SS et al. Violência contra mulher. Ver Enferm UFPE. [online]. 2018 Abr. [acesso 2019 de març 20]; 12(4):923-929. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/110273/28639+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br.
Publicado
2021-03-22
Como Citar
de Jesus Silva, S. B., Nunes da Conceição, H., Ramalho Oliveira, M., Teixeira Câmara, J., Reis Pinheiro Moura, L., dos Santos Silva, K., & Mourão Pereira, B. (2021). Violência Perfil epidemiológico da violência contra a mulher em um município do interior do Maranhão, Brasil: 10.15343/0104-7809.202145056065. O Mundo Da Saúde, 45(1), 056-065. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1042