Perfil sociodemográfico, clínico e familiar de mulheres recentemente diagnosticadas com câncer

10.15343/0104-7809.202145075088

  • Danielly Vincensi
  • Emelli Fin Hermann Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS, Brasil
  • Sandra Emilia Drews Montagner Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS, Brasil
  • Eniva Milani Fernandes Stumm Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS, Brasil
  • José Antônio Gonzalez da Silva Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS, Brasil
  • Juliana Maria Fachinetto Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS, Brasil
  • Christiane de Fátima Colet Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Ijuí/RS, Brasil
Palavras-chave: Oncologia. Mulheres. Zona Rural. Zona Urbana.

Resumo

No ano de 2018, houve 227.920 óbitos no Brasil por neoplasias, 19.692 referentes à população feminina do noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Estima-se que para 2020, 115.780 novos casos de câncer incidam sobre a população feminina brasileira, o que justifica o enfoque principal do presente estudo. Este avaliou a associação entre as características sociodemográficas, clínicas e familiares de mulheres recentemente diagnosticadas com câncer e o seu local de moradia. Trata-se de um estudo transversal e observacional, o qual a coleta de dados ocorreu no período de agosto 2018 a janeiro de 2019 através da aplicação de um questionário, participaram 143 mulheres recentemente diagnosticadas com câncer, assistidas em um Centro de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) de um hospital geral porte IV (300 ou mais leitos) as quais foram subdivididas em três grupos: Rural, Urbano sem Exposição Rural e Urbano com Exposição Rural. Verificou-se que 51% das mulheres possuíam idade inferior a 60 anos e, comorbidades como: Obesidade, depressão e câncer de mama, demostraram associação significativa com relação ao local de moradia (p=0,035, p=0,028 p=0,032, respectivamente). Conclui-se que apesar do meio urbano disponibilizar maior infraestrutura no diagnóstico, tratamento e medidas de prevenção à ocorrência do câncer; mulheres urbanas, rurais e expostas ao meio rural, demonstraram ocorrências parecidas para a incidência de alguns tipos de canceres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Torre LA, Islami F, Siegel RL et al. Global Cancer in Women: Burden and Trends. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2017;26(4):444-457.
2. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Notícias: OMS e IARC lançam relatórios globais sobre o câncer [publicação na web]; 2020 [acesso em 20 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/noticias/oms-e-iarc-lancam-relatorios-globais-sobre-o-cancer
3. Brasil. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil - DATASUS. Indicadores de morbidade e fatores de risco – TABNET [publicação na web]; 2018 [acesso em 20 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10uf.def
4. Wambalaba FW, Son B, Wambalaba AE et al. Prevalence and Capacity of Cancer Diagnostics and Treatment: A Demand and Supply Survey of Health-Care Facilities in Kenya. Cancer Control. 2019;26(1):1073274819886930.
5. Freitas MLF, Nunes MS, Rodrigues PKB et al. História familiar de câncer, perfil sociodemográfico e estilo de vida da população assistida em um programa de prevenção ao câncer. Unimontes. 2019:93-100.
6. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil [publicação na web]; 2020 [acesso em 20 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer
7. Ribeiro MS, Abreu NC, Borges TFF et al. Urbanidade e mortalidade por cânceres selecionados em capitais brasileiras, 1980–2009. Cad Saúde Colet. 2013;21(1):23-33.
8. Thiese MS. Observational and interventional study design types; an overview. Biochemia Med. 2014;24(2):199-210.
9. Lacerda MR, Costenaro RGS. Metodologias da pesquisa para a enfermagem e saúde: da teoria à prática. 1ªed. Porto Alegre: Moriá; 2015.
10. Bisquerra, R, Sarriera JC, Martínez F. Introdução à estatística: enfoque informático com o pacote estatístico SPSS. Porto Alegre: Artmed; 2004.
11. Miranda B, Vidal SA, Mello MJG et al. Cancer patients, emergencies service and provision of palliative care. Rev Assoc Med Bras. 2016;62(3):207-211.
12. Batista MG, Da Silva Ramos K, Costa CBA. Perfil sociodemográfico e clínico de mulheres com câncer do colo do útero associado ao estadiamento avançado. RCSNE. 2017;15(2):77-87.
13. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. SIDRA Tabela 1378 - população residente, por situação do domicílio, sexo e idade, segundo a condição no domicílio e compartilhamento da responsabilidade pelo domicílio [publicação na web]; 2010 [acesso em 25 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://sidra.ibge.gov.br/Tabela/1378#resultado
14. Silva CBC, Schneider SG. Trabalho rural e pluriatividade. Gênero e geração em contextos rurais. Ed. Mulheres. 2010:183-208.
15. Ferreira DB, Frago PM, Reis ED et al. Nossa vida após o câncer de mama: percepções e repercussões sob o olhar do casal. Rev Bras de Enf. 2011;64(3):536-544.
16. Cardoso LSM, Mendes LL, Velásquez-Meléndez G. Diferenças na atenção pré-natal nas áreas urbanas e rurais do Brasil: Estudo transversal de base populacional. REBEn. 2013;17(1):86-101.
17. Lima APW, Lourenço JW. Infertilidade humana: comentando suas causas e consequências. Rev Saúde e Desenvolvimento. 2016;10(5):110-124.
18. Garcia SD, De Lara TIC. O impacto do uso dos agrotóxicos na saúde pública: revisão de literatura. Saúde e Desenvolvimento Humano. 2020;8(1):85-96.
19. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Mulheres de 18 a 49 anos de idade que tiveram relações sexuais nos últimos 12 meses, ainda menstruam e participaram de grupo de planejamento familiar para 2013 [publicação na web]; 2013 [acesso em 25 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://sidra.ibge.gov.br/tabela/5531#resultado
20. Dutra LS, Ferreira AP. Associação entre malformações congênitas e a utilização de agrotóxicos em monoculturas no Paraná, Brasil. Rev Saúde em Debate. 2017;41:241-253.
21. Tian JM. Estrogen and progesterone promote cell proliferation of breast cancer, inducing the expression of G1 cyclin. Braz J Med Biol Rev. 2018;51(3).
22. Schunemann JE, Souza RT, Dória MT. Hormonal contraception and breast cancer. Femina. 2011;39(4):232-235.
23. Souza NRR, Viana MEL, Miranda MLC, Guimarães BCS, Miranda ML, Souza JHK. Relationship between hormone replacement therapy in menopause and the development of neoplasms. Braz J Surg Clin. 2019;25(2):135-143.
24. Sabino ECC. O uso de anticoncepcionais orais combinados e sua relação com o câncer de mama [publicação na web]; 2017 [acesso em 25 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/11718
25. Silva S, Boer R, Cruz LAP et al. Fertility and contraception in women with cancer undergoing chemotherapy. Esc Anna Nery. 2020;25(1).
26. Stefani RR, Bockmann BS, Baldissera GS et al. Congenital malformations: main known etiologies, population impact and need for monitoring. Acta méd. 2018:155-184.
27. Oliveira LMMH, Araujo HMMH, Arimateia GDT et al. Malformações e Abortos Espontâneos no Brasil. Unicatólica. 2020;4(2).
28. Freire TM, Machado JC, Melo EV et al. Efeitos do consumo de bebida alcoólica sobre o feto. Rev Bras de Ginecol Obstet. 2005;27(7):376-381.
29. Rodrigues AL, De Souza DR, De Lima Borges J. Consequências do uso de álcool e cigarro sobre o binômio mãe-feto. DêCiência em Foco. 2018;2(1):53-62.
30. Cremonese C, Freire C, Meyer A et al. Exposição a agrotóxicos e eventos adversos na gravidez no Sul do Brasil, 1996-2000. Cadernos de Saúde Pública. 2012;28(7):1263-1272.
31. Takamune DM, Maruichi MD, Yu Wei Pai C et al. Conhecimento dos fatores de risco para doença cardiovascular em mulheres no climatério: estudo piloto/Knowledge of risk factors for cardiovascular disease in the climacteric period: pilot study. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2018;56(3):117-121.
32. Aguiar SS, Rodrigues GM, Santos LN et al. Qualidade de Vida Relacionada à Saúde e Risco de Comorbidade Cardiovascular ao Diagnóstico de Câncer de Mama. Rev Bras de Cancerol. 2019;65(3).
33. Martins-Silva T, Vaz JS, Mola CL et al. Prevalências de obesidade em zonas rurais e urbanas no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2019;22:e190049.
34. Bottino SMB, Fragas R, Gattaz WF. Depression and cancer. Archives of Clinical Psychiatry. 2009;36:109-115.
35. Soares PSM, Meucci RD. Epidemiologia dos Transtornos Mentais Comuns entre mulheres na zona rural de Rio Grande, RS. Cien Saude Colet, 2020;25:3087-3095.
36. Archer J, Hutchison I, Korszun A. Mood and malignancy: head and neck cancer and depression. J Oral Pathol Med. 2008;37:255-270.
37. Lauby-Secretan B, Straif K, Baan R et al. A review of human carcinogens--Part E: tobacco, areca nut, alcohol, coal smoke, and salted fish. Lancet Oncol. 2009;10(11):1033.
38. Drope J, Schluger N, Cahn Z et al. The Tobacco Atlas. Atlanta: American Cancer Society and Vital Strategies. 6ªed, Atlanta, GA: ACS; 2018.
39. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Observatório da Política Nacional de Controle do Tabaco: Dados e números da prevalência do tabagismo [publicação na web]; 2020 [acesso em 25 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/observatorio-da-politica-nacional-de-controle-do-tabaco/dados-e-numeros-prevalencia-tabagismo
40. Hankinson S, Tamimi R, Hunter D. Textbook of Cancer Epidemiology. 3ª ed. EUA: Oxford Univ Press. 2018.
41. Hall SA, Kaufman JS, Millikan RC et al. Urbanization and breast cancer incidence in North Carolina, 1995–1999. Ann Epidemiol. 2005;15(10):796-803.
42. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Tipos de Câncer: Câncer colo de útero tabagismo [publicação na web]; 2020 [acesso em 27 de fevereiro de 2020]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero
43. Mascarello KC, Silva NF, Piske MT et al. Perfil sociodemográfico e clínico de mulheres com câncer do colo do útero associado ao estadiamento inicial. Rev Bras de Cancerol. 2012;58(3):417-426.
44. Fernandes NFS, Galvão JR, Assis MMA et al. Acesso ao exame citológico do colo do útero em região de saúde: mulheres invisíveis e corpos vulneráveis. Cad de Saúde Pública. 2019;35:e00234618.
45. Mendonça MCB, Marques MCA, Santos MF et al. Aumento da incidência de câncer de pulmão em mulheres. Cad Med-UNIFESO. 2020;2(3).
46. De Groot P, Munden, RF. Epidemiology of lung cancer, risk factors and prevention. Radiol Clin N. 2012;50(5):863-876.
47. Rahou BH, Rhazi KE, Ouasmani F et al. Quality of life in Arab women with breast cancer: a review of the literature. Health Qual Life Out. 2016;14:64.
Publicado
2021-03-15
Como Citar
Vincensi, D., Fin Hermann, E., Drews Montagner, S. E., Milani Fernandes Stumm, E., Gonzalez da Silva, J. A., Fachinetto, J. M., & Colet, C. de F. (2021). Perfil sociodemográfico, clínico e familiar de mulheres recentemente diagnosticadas com câncer: 10.15343/0104-7809.202145075088. O Mundo Da Saúde, 45(1), 075-088. Recuperado de https://revistamundodasaude.emnuvens.com.br/mundodasaude/article/view/1032